Inaugurada no dia 14 de dezembro no Parque de Castilla La Mancha em Alcobendas, ao sul de Madrid, na Espanha, a primeira ponte impressa para pedestres. Tendo mais de 12 metros e sendo elaborada em oito partes, as quais são constituídas por camadas em fusão de pó de concreto micro reforçado com termoplástico de polipropileno. A ponte é criação do Institute of Advanced Architecture of Catalonia (Instituto de Arquitetura Avançada da Catalonia), uma base de pesquisas e centro de educação em Barcelona que trabalha com um contingente de arquitetos, engenheiros mecânicos e estruturais,  e representantes municipais para trazer o design a vida.

Além da Acciona, a empresa que executou grande parte do trabalho pesado, tanto literal como figurativamente, o mais notável colaborador do instituto foi Erico Dini, conhecido como “homem que imprime casas”. Dini desenvolveu D-Shape, uma robusta impressora 3D que é a primeira- e possivelmente a única- do tipo que combina areia camada sobre camada com uma rocha sólida. Com a ponte de Alcobendas sendo um sucesso da engenharia civil, o IAAC está saudando a construção como “marco histórico a nível internacional para o setor de construção.”

Porém os designers não se esqueceram do arquiteto mor: a mãe natureza. O IAAC alavancaram um modelo paramétrico (adaptável) para não somente refletir as “complexidades das formas naturais” mas também otimizar a distribuição de matérias-primas.

“O design computacional também permite maximizar a performance estrutural, sendo capaz de dispor o material somente onde é preciso, com total liberdade de formas, mantendo a porosidade graças à aplicação do algoritmo generativo e desafiando as técnicas tradicionais de construção,” segundo o instituto. O resultado? Menos desperdício, maior estabilidade, e um prato cheio para uma conversa.

 

Fonte: Inhabitat