Aneurismas, que são pequenos bojos de sangue na parede de um vaso sanguíneo, são responsáveis por cerca de 500 mil mortes por ano no mundo todo quando “estouram” antes de serem tratados.

Parte do problema em tratá-los, em especial aneurismas cerebrais, é que eles estão localizados entre um labirinto complexo de vasos que pode ser difícil navegar até mesmo com a mais moderna tecnologia.

Com isso em mente, médicos e pesquisadores em Buffalo, Nova York, têm trabalhado com uma impressora 3D da marca Stratasys para desenvolver um método de impressão  de um sistema vascular completo de um paciente em apenas 24 horas. O objetivo é praticar a navegação nele antes de uma cirurgia.

A Stratasys trabalha com o The Jacobs Institute, o Kaleida Health’s Gates Vascular Institute e engenheiros biomédicos da Universidade de Buffalo para criar modelos vasculares de corpo inteiro.
Modelos vasculares são criados inicialmente ao inserir um cateter dentro da artéria femoral na virilha do paciente. O cateter é então avançado através de uma grande artéria dentro das artérias do cérebro onde um corante é injetado. Esse corante destaca as artérias e fotografias são tiradas via ressonância magnética ou tomografia computadorizada.

Essas imagens são, então, carregadas com um software  no computador para criar um modelo virtual do sistema vascular; o modelo é usado por uma impressora 3D da Stratasys para recriar um modelo físico dos vasos sanguíneos de um paciente que leva ao aneurisma.

Anthony Vicari, analista para o mercado de impressão 3D da companhia Lux Research, disse que enquanto a habilidade de modelar órgãos e até mesmo aneurismas não é uma novidade para a impressão 3D, ele nunca teve conhecimento de uma impressora 3D criar um sistema vascular completo que vá da virilha até o cérebro.

Antes da impressão 3D, criar modelos vasculares levava de sete a dez dias usando silício e um molde criado a partir de uma imagem radiológica.

Ao reproduzir com precisão a geometria de um aneurisma, médicos podem realizar uma série de novos tratamentos.

No caso, o sistema vascular consegue também reproduzir a mesma textura de vasos sanguíneos humanos.

“Com modelos de impressão 3D que imitam a sensação vascular, podemos criar uma abordagem que eu acho que não seria possível de outra maneira”, disse Michael Springer, diretor de operações no The Jacobs Institute.

Além de acelerar o processo, modelos impressos reduzem custos consideravelmente. Enquanto cirurgiões têm usado modelos como esse para prática antes de cirurgias reais, os modelos também podem ajudá-los em treinamento, como em faculdades de medicina ou na especialização de médicos.