Expectativa-de-impressao-3D-para-salvar-coraisIsso pode se tornar realidade com impressões de replicas de corais.

Sabemos que várias espécies marinhas vive nos recifes de corais. Um sistema que sofre no mundo inteiro com o aumento da temperatura e da acidificação dos oceanos, a poluição e a pesca predatória.
Porem, no Bahrein, a situação é um pouco melhor. O país do Golfo Pérsico, próximo da Arábia Saudita e na rota dos petroleiros, viu uma redução de 90% nos seus corais, de acordo com levantamento da Universidade de Nova York.
Para minimizar o problema a solução é criar recifes artificiais. Agora, com ajuda das impressoras 3D.
O projeto, tocado pelo governo do país com a empresa ReefArabia e a organização australiana Sustainable Oceans International, está em fase de teste.
2 blocos impressos já foram lançados ao fundo do mar , cada um tem 1m de altura, 1m de largura e 1 m de profundidade, e pesa 500 kg.
“Os corais artificiais são, geralmente, feitos em moldes de concreto”, diz David Lennon, diretor da Sustainable Oceans. “A impressão 3D permite a criação de vários túneis, buracos e espaços, algo impossível no modelo tradicional. É como ter um prédio com muito mais apartamentos para a vida marinha. Tudo isso usando material como o arenito, muito menos nocivo ao ambiente, com aparência mais natural e sem ter um bloco igual ao outro”,
Porém essa ideia sai bem caro e difícil. Pois só uma fabricante, a italiana Dshape, tem as máquinas no tamanho necessário. “Criar corais artificiais com impressão 3D é, por enquanto, algo complementar ao modelo tradicional.
Com o tempo, acreditamos que isso vai mudar conforme o custo cair e a tecnologia se desenvolver”, afirma Lennon. Os envolvidos não divulgam os valores do projeto. Só a Sustainable Oceans International já gastou US$ 100 milhoes protótipos, transporte das unidades, licenças e marketing do projeto. Novos projetos-piloto surgiram: o governo australiano pediu duas unidades de corais impressos em 3D, que devem ser submersos nos mares do país.