Lunar_base_made_with_3D_printing-2A Estação Espacial Internacional já possui uma impressora a bordo, mas a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) quer ampliar o uso dessa tecnologia para construir uma base lunar.

A tecnologia de impressão 3D na Terra já produziu estruturas inteiras disse Laurent Pambaguian, líder do projeto na ESA. Nosso time está investigando se ela também poderá sem empregada para construir um habitat lunar. Pesquisas nesse sentido estão em andamento desde o ano passado, mas nesta quinta-feira, a ESA divulgou vídeo conceitual mostrando os resultados dos estudos e a proposta para a construção de uma base no polo sul da Lua.

“Na realidade, qualquer projeto de base lunar ainda está na prancheta, mas cada pequeno passo à frente faz a futura colonização lunar um pouco mais viável”, disse a ESA, em comunicado.

Segundo a agência, abrigos lunares são essenciais para a exploração do satélite, pois ele não possui densa atmosfera para proteção contra raios solares e meteoritos e para equilibrar a temperatura.

Na hipotética missão apresentada, uma cápsula inflável que servirá de sustentação para a base é enviada à Lua junto com um robô com uma impressora 3D. A ideia é inflar a estrutura no solo lunar e, com a poeira coletada na própria superfície do satélite, imprimir uma camada protetora sobre a base.

A etapa de impressão da cápsula protetora é prevista para durar cerca de 3 meses. Quando pronta, a base poderá abrigar até quatro pesquisadores. O polo sul foi escolhido pois é uma região que recebe luz solar constante, mas amenizada pelo ângulo de incidência, o que permite a geração de energia, sem as altas temperaturas registradas em outras regiões do satélite.