imagem (1)

Está em processo de desenvolvimento um scanner cerebral que pode ser impresso em casa e adaptado a diversos tipos de funcionalidade.
Chamado OpenBCI, o projeto é tocado por Conor Russomanno e Joel Murphy; ele teve uma pequena ajuda da DARPA para o pontapé inicial e também está no Kickstarter (onde já conseguiu o valor pretendido).

O produto é composto de sensores e um mini-computador que é conectado a outros sensores ligados a uma espécie de capacete – a parte que pode ser feita com uma impressora 3D. Isso tudo pode ser ligado a um computador para comando de jogos, por exemplo.

Os códigos do software que alimenta o capacete foram disponibilizados para download, então qualquer um pode fazer o scanner cerebral em casa. Basta comprar o hardware da OpenBCI, baixar os projetos para imprimir o que falta e calibrar o equipamento.

A versão básica leva cerca de sete horas para ser impressa. A mais robusta, que permite a ligação de pontos em 64 locais da cabça (ligando no máximo 16 eletrodos por vez), demora um dia.