A primeira base lunar na Lua não pode ser construída por mãos humanas, mas sim por um robô aranha gigante construído pela NASA que pode ligar o solo empoeirado em estruturas bolhas gigantes onde os astronautas podem viver, realizar experiências, relaxar ou talvez até mesmo cultivar colheitas.

A Agência Espacial Europeia (ESA) em conjunto com uma empresa de tem uma proposta de fazer uma base lunar impressa em 3D,

O produto da investigação conjunta começou entre arquitetos espaciais Tomas Rousek, Eriksson Katarina e doule Ondrej e o cientista Jet Propulsion Laboratory da NASA (JPL), o processo é chamado de SinterHab porque envolve sinterização de pueira lunar que é, aquecido até um pouco abaixo de seu ponto de fusão, onde os pós finos de nanopartículas irão se fundir e tornar-se um bloco sólido um pouco como parecido ao de uma peça de cerâmica. Para fazer isso, os engenheiros do JPL propuseram usar micro-ondas não mais poderosos do que aqueles encontrados em uma cozinha, com as minúsculas partículas atingindo facilmente entre 1200 e 1500 graus Celsius.

As Nanopartículas de ferro no interior do solo lunar são aquecidos a certas frequências de micro-ondas, um aquecimento eficiente e permitindo a ligação da poeira.

Não ter que levar humanos para uma construção é uma grande vantagem para os planos da ESA / Foster + Partners.

Os painéis solares serão usados para a energia das micro-ondas, assim como a base lunar, que ficarão em um lugar próximo aonde a luz solar é constante.

“Bubbles” de poeira podem ser construído por um robô de seis patas enormes (OK, então não é tecnicamente uma aranha), que podem então ser montadas em habitats grandes o suficiente para os astronautas usar como base.

Este “sistema Sinterator” usaria o JPL Atleta rover, um protótipo em semi-escala do que já foi construído e testado. É controlado por humanos e pode se mover através com rodas nas pontas, é uma capsula que custa em torno de 8,2 milhões

Os braços da capsula tem várias funções diferentes, dependendo o que ele precisa fazer em qualquer ponto. Ele tem 48 câmeras 3D que transitem o vídeo ao seu operador no interior da cápsula, em outros lugares na Lua ou na Terra, ele tem uma capacidade de carga de 300 kg na gravidade da Terra, e pode colher, cavar, agarrar e, geralmente, cavar em torno o solo com bastante facilidade, dando-lhe as habilidades combinadas de um veiculo normal e um veículo de construção. Ele pode até mesmo ser dividido em dois menores de três pernas a qualquer momento, se necessário.

No sistema Sinterator, uma impressora 3D microondas seria montado em uma das pernas e usada para construir a base.

Veja mais (inglês) – http://arstechnica.com/science/2013/03/giant-nasa-spider-robots-could-3d-print-lunar-base/